quinta-feira, dezembro 18, 2014

Vársea dos sentidos

No corpo desacelerado e impotente,
as vibrações do som, de vossa voz
perpétua em meus ouvidos.

Designados, sozinhos e frios;
sonhos já não são mais os mesmos,
o ar em que entrava em meus pulmões
num circulo vicioso
na mesma proporção de uma natureza ofegante
em suas vísceras artérias.

O afago intuiu o ar, em que respirava.
sendo mística o bastante para dizer que,
as cicatrizes em meu estomago se abriram;
e a luz reinava meu ventre,
da esperança e do inconsciente.

                                       Jacqueline Moraes

terça-feira, novembro 11, 2014

Dile al amor


Não é desilusão
Não é tristeza, e nem felicidade.
É uma dor desconhecida,
é algo mais forte que eu.

Que me consome, palpita meus sentidos
afoga minha alma, desconcentra meus órgãos
destrói as minhas expectativas.

O que eu mais quero, é desistir
mas não consigo, e não é de teimosia.
É por cansar de sofrer, entende?

Já faz 6 meses, e, se não acabou
porque é algo mais serio que eu pensava.
pode ser que sim ou que não.
Sei que ira se repetir.

 Jacqueline Moraes


Por ela

 Agora tenho certeza que, existe um  motivo para sonhar
O sonho, que irá me fazer esperar
alguns anos, meses, semanas.

O trico, os livros, as folhas
esse é o mistério...

É ela, querido. [E quando ela está nos meus braços
                         As tristezas parecem banais
                        O meu coração aos pedaços
                        Se remenda prum número a mais.] cbh

Só mais um pouquinho, vai valer a pena.

                 Jacqueline Moraes

domingo, novembro 09, 2014

Chegou a hora

Que falta que você me faz,
 ainda sinto o seu perfume.
 Suspiro... e me perco nas memorias.

Você estava certo, não era o momento
tive que amadurecer, pelo pior caminho
seja pela dor ou pelo amor.
- o pior prevaleceu.

Tantas coisas aconteceram, desde o nosso ultimo encontro
mas você estava la, em forma de fita
e de embalagens diferentes.
 - essa foi a minha força.

As viagens, já não são mais as mesmas
sem você.
a mais simples e inesquecível, parados na Dutra.

É, talvez seja hora de começar um novo ciclo...

Jacqueline Moraes

sábado, outubro 25, 2014

Segredos secretos.


Em silencio, o florescimento do amor,
veio me visitar, mas para ficar.
Em forma de borboleta,
dourada, branca, laranja e amarela.
O perfume, é o perfume do renascimento
ainda te quero, te quero aqui, pra sempre.
Dessa vez eu reparo, que os sinais da natureza
vieram me dizer, você nasceu pra mim.
Sua presença esta aqui, constante no ar
Sinto seus seu perfume, vejo seu olhar.
Sua melodia no pé do ouvido, boa noite meu querido.

Jacqueline Moraes


Como guardar dinheiro para viajar


Na correria do dia a dia fica fácil esquecer da viagem que queremos fazer e gastar nosso dinheiro com outras coisas. Eu não sou do tipo que deixa de curtir a rotina para viajar, afinal a vida “normal” também é importante para a nossa felicidade. Mas como sempre tive as viagens como prioridade, adquiri alguns hábitos importantes para economizar e guardar dinheiro para viajar. São hábitos tão naturais na minha vida que nem sofro para cumpri-los. Um pequena mudança aqui, outra ali e quando você percebe já está economizando bastante.
É claro que podemos ter estilos de vida diferente, salários diferentes, prioridades diferentes. Mas espero que com a minha lista de economias você consiga se inspirar e criar seus próprios hábitos e mudanças, avaliando o que melhor ao seu estilo de vida.
Como Economizar:
Transporte. Eu não tenho carro. Como apenas estudo ou trabalho em casa, não vejo motivo para comprar um carro. Consigo me virar  apenas usando o transporte público. A verdade é que eu sou uma grande sabotadora de carros no Brasil. São caros, há muitos e o trânsito é um saco. Portanto vi que não valia a pena de jeito nenhum.
Celular. Como não sou muito visurada por tecnologia, mantenho o meu celular desde há 3 anos atras, e o velho dilema, só pago quando realmente vou usar: pré-pago (e não é um iPhone pois nunca tive coragem de pagar o preço). Então eu posso dizer que praticamente não tenho nenhum gasto com telefone.
Roupas e acessórios. Esse ano eu tomei um decisão importante: não iria comprar nenhuma roupa ou sapato. Eu tenho muitas roupas que nem uso e algumas até com etiquetas! Portanto não há necessidade de comprar mais. E, além disso, estou fazendo uma limpa no armário para vender e doar algumas roupas em brechós e sites de roupas usadas porque elas são novas e sem utilidade pra mim.
Manicure. Eu adquiri o hábito de fazer as unhas sozinha no tempo que morei nos EUA, pois lá as manicures são ruins e caras. E até hoje eu utilizo essa técnica aqui no Brasil. Portanto, raramente gasto com manicure (digo, nunca!).
Comida. Eu não sou do tipo que passo fome ou vontade para poder viajar. Eu gosto de experimentar novas comidas e restaurantes e também de jantar com as minhas amigas. No entanto, eu não faço isso o tempo todo. Tento equilibrar entre cozinhar em casa e sair para jantar de vez em quando.  Como não gosto de jogar comida no lixo, uso o mesmo ingrediente para a semana toda.
Balada. Eu não sou muito baladeira. Prefiro ir a shows, exposições, filmes e ocasiões especiais com as amigos. Portanto não tenho um grande gasto com balada. Ainda bem. Porque aqui em São Paulo não é difícil você ir a uma festa onde paga R$150 só para entrar. Ai, dói meu bolso só de pensar…
Faxina em casa. Quando morei sozinha em outra cidade, mesmo com a correria do dia a dia, optei por eu mesma fazer uma faxina mensal. Pode não parecer, mas durante 12 meses  de faxineira é equivalente ida e volta de passagem de avião para New York, por exemplo.
Não comprar o que eu não preciso. Meu dinheirinho é muito valioso e não comprar o que eu não preciso é um hábito muito natural na minha vida. Sou daquelas que anda pelo shopping sem sofrer e saio de lá sem nada, numa boa.

Como guardar o que se ganha:

No momento estou planejando uma grande viagem. Portanto, defini através de pesquisas que fiz, o quanto eu devo ter de dinheiro para fazer essa viagem na data planejada. Sendo assim, todos os meses eu tenho a obrigação comigo mesma de transferir uma quantia x para a poupança para atingir o valor total. Também tenho o hábito de transferir qualquer dinheiro extra para a poupança (freelas, 13o salário, bônus, etc). Como disse, viajar é minha prioridade de vida (atualmente) e todo meu dinheiro é direcionado a isso.
E esse é o meu conselho para tornar uma viagem possível:
1. Defina para onde e quando você quer ir.
2. Pesquise preços e avalie o quanto você gastaria para essa viagem (passagens + hotéis + gastos na viagem)
3. Faça o cálculo de quanto você deve guardar mensalmente para atingir a data possível/desejada para viajar.
Acredite, quando você define valores e datas, a viagem se torna real e possível. A partir daí é só conseguir guardar aquele dinheirinho.
E você? Tem alguma técnica especial para economizar dinheiro para viajar?

A valsa do amor


Meu querido,
na valsa do som.

Pensando em ti,
roubei um pouco do futuro
nas águas cristalinas
no adormecer.

Cheguei devagarzinho,
quando te conheci
reconheci
sua alma
no fundo da canção.

Meu querido, 
meu amor.

É hoje, só hoje
que nós tornamos,
um só.

Jacqueline Moraes

terça-feira, outubro 21, 2014

O reencontro das almas


Meus medos desapareceram, quando você esta lá,
nos momentos mais difíceis e nos mais divertidos.
Foi assim, sem perceber, que o vento soprou em meu ouvido
senti a brisa bater em meus olhos, lacrimejei.

Não estava sozinha, já sabia que você estaria lá.
Nos meus sonhos, em minha imaginação, no meu coração
de alguma forma, você sempre esteve por perto.

Mas, eu era muito nova para entender, quem era você?!
Apenas uma amiga, irma, ou personagem 
dos meus quadrinhos e das minhas artes.

Hoje, vou encaixando as pecas do nosso mistério;
os livros, a cidade, o cinema.

Quanto mais perto, mais longe.
nos mais sólidos desejos, os mais belos encontros
reencontros, desencontros no crepúsculo do Luar.

Jacqueline Moraes

sábado, outubro 18, 2014

Música: Uma vez mais - Ivo Pessoa


Vôa minha ave
Vôa sem parar
Viaja prá longe
Te encontrarei
Em algum lugar...
Permaneço em ti
Como sempre foi
Mais perfeito e mais fiel
Mesmo sozinho sei
Que estás perto de mim
Quando triste olho pro céu...

Quando eu te vi
O sonho aconteceu
Quando eu te vi
Meu mundo amanheceu...

Mas você partiu sem mim
E sei que estás
Em algum jardim
Entre as flores...

Anjo!
Meu tão amado anjo
Bem sei que estás
E eu do brando sono
Hei de acordar
Para os teus olhos
Ver uma vez mais...

Mais
O verdadeiro amor espera
Uma vez mais

Quando eu te vi
O sonho aconteceu
Quando eu te vi
Meu mundo amanheceu...(2x)

Mas você partiu sem mim
E sei que estás
Em algum jardim
Entre as flores...


segunda-feira, outubro 13, 2014

Sorvete Multicolor


   O verão ainda nem chegou, e a temperatura em São Paulo já atingiu os 30 graus. E nesse calor, nada melhor que sorvete e aguá bem gelada. Porém, para quem esta aderindo o  'projeto verão', hoje trago uma receita nova que inventei. Aveia, geleia e gelatina light foram os ingredientes chaves para essa refrescante color.

      Ingredientes:

  • 2 sabores de Gelatina Light de sua preferencia
  • Aveia, Granola
  • Geleia de Framboesa
  • 1 caixa de morango
  • 1 1/2 copo de água
  • 2 colheres de sopa de leite condensado ou de leite desnatado
      Modo de Preparo:
  • Faça a gelatina, deixe esfriar e coloque no freezer. 
  • Corte os morango, e divida a metade para a decoração e outra para fazer o creme.
  • Coloque os morangos no liquidificador junto com o leite condensado e água. Bata por 10 segundos e reserve.
  • Quando a gelatina tiver mais ou menso dura, coloque a 1/4 na forma de sorvete.
  • Feito isso, coloque uma pequena camada de aveia e logo após de geleia.
  • Com cuidado, deixe os morangos da decoração na borda da forma e despeje o creme. Coloque o palitinho de sorvete
  • Feito isso, deixe no freezer por aproximadamente 1 hora, ate ficar durinho.
  • Finalize com a ultima camada de gelatina (cor diferente), leve por mais 1 hora no freezer.
  • Retire o sorvete com cuidado, uma dica é deixar em água corrente a forma para soltar.
     Espero que tenham gostado =D



Jacqueline Moraes

domingo, outubro 12, 2014

Lugares Incríveis na America Latina

O site Trivagocomparador de preços de hotéis, listou doze lugares inacreditáveis da América Latina para inspirar a sua próxima viagem. De deserto de sal na Bolívia às belezas dos Lençóis Maranhenses, no Brasil; confira a lista abaixo:
                                                          Laguna Verde (Bolívia)

Lençóis Maranhenses (Brasil)


Deserto do Inca (Peru)


Monte Roraima (Brasil, Venezuela e Guiana)

Geleira Perito Moreno (Argentina)


Deserto do Atacama (Chile)


Rio Caño Cristales (Colômbia)


Salar de Uyuni (Bolívia)


Capillas de Marmol (Chile)


Ilhas Marietas (México)


Chapada dos Veadeiros (Brasil)

Mina de Naica (México)


quarta-feira, outubro 08, 2014

Campos do amanhecer


Tudo começou na terça ensolarada
quando nossos olhares se cruzaram.
Eu te conhecia, mas sabia de onde,
ontem ou da semana passada.

Talvez eu estava cega,
ou muito apaixonada por você
e deixei nossas memorias se apagarem
quando estávamos debaixo do azul.

O cheiro das flores nos uniam,
ao lado do jardim
estávamos abracados, senti sua pele.
era doce, disso eu já sabia.

Sera possível que já nos conhecemos de outro universo?
Sim, meu querido.
Mas foi por medo de dizer, ainda não era o momento.

Não sei de mais, não quero saber.
A estrada poderia ser nossa,
mas, você fugiu.

Time, para te ver.
e suspirar novamente em seu ouvido,
para  te revelar, a nossa origem.

Jacqueline Moraes


terça-feira, outubro 07, 2014

Contarei para os meus netos!


Preto, branco, ou azul. Qualquer coisa seria viável naquela noite. Minha intuição gritava: vai em frente. Costumava passar meus finais de semana pro aí, sem destino, o importante era estar com os amigos, mas na maioria das vezes, eu acabava ficando sozinha.
Era verão, quando chegamos em New York City, estava um pouco nervosa. Afinal, dirigir numa big city com seus chefes, não é muito agradável.

Na rua da Penn Station Street,  Mayara foi verificar a reserva do Hotel. De repente, vi pessoas gritando desesperadas, baixei o vidro, minhas pernas começaram a tremer.

- U can't stop here! GO, GO OUT!
-What?  sorry I'm not live here. - I said.
- Just go out! - Someone yealled me.
Fiquei desesperada, pensei que eu poderia ser presa. Afinal, você é preso por qualquer coisa nos Estados Unidos. Mas deu tudo certo, apesar que, policias começaram a me cercar, somente por ter parado na faixa amarela em frente ao hotel. Por um momento pensei que eu estava no Brasil.

Jump, Jump. Nos sentimos assim, quando entramos no quarto. Três brasileiras num hotel sozinhas, ia ser um pouco preocupante. Não por elas, mas eu estava completamente agitada.
Bom, naquele dia eu não queria pensar em mais nada, quando ia na City, os obstáculos desapareciam e a paz reinava  meu peito. Queria ter experimentado diversos restaurantes, mais como toda brasileira cômoda, tudo terminava em Mc Donald's.

[ Meus amigos me descrevem como "louca", pela vida ou por eu ser eu mesma. Outros dizem, que eu deveria ser jornalista, ou fotografa. ]

Convenci minhas amigas que iriamos fazer a festa de despedida da Mayara em alguma Party na cidade. Uma delas precisava de um vestido para a night, andamos por quase 3 horas, enfim, encontramos! Depois do cansaço fui me deliciar no Dunkin' Donuts, aproveitei e levei mais 5 para a viagem.
É muito engraçado se arrumar com suas amigas, mulheres são divertidas. Mesmo querendo ser práticas, conseguem sempre tornar as coisas mais complicadas. Que roupa eu vou? Batom vermelho ou vinho?. Mas elas não eram assim, alias, como agradeço por ter as conhecido. Naquela noite eu estava completa, não precisava de mais nada.

- Taxi!!!- gritei na rua. Entramos tagalerando em Português.
- Para onde vão? - Disse o Taxista.
- Vamos para 39 E 58th St Please! - eu disse.
- 7 dólares.

Elas não conheciam baladas na cidade, indiquei a Lavo. Ficamos na fila por quase 20 minutos, e decidimos ir para outro lugar. "Marquee", foi a escolhida. Pegamos um táxi. É incrível como tem "otários" em todos os lugares, mas eu tenho certeza que aquele taxista era Indiano. Começou perguntar para Karen sobre o perfume dela, como uma doce mulher respondeu com muita educação. Então, comecei a ficar nervosa, pois eu sabia as intenções daquele homem e aonde isso poderia chegar. Costumo ser muito educada com todos, mas nesse momento, comecei alerta-las em Português sobre o perigo que poderíamos passar. Após alguns segundos, o embriagado quase bateu o carro. Começou a dirigir em ziqgue zaque, ficamos com medo e então comecei a xingar na minha língua nativa. Optei por pular do carro, elas não tiveram coragem. O indivíduo começou a falar que éramos" good". Não tenho paciência para homens,  tive que ser grossa e falar que namorada das  minhas amigas. Chegamos salvas.
Marquee é considera uma das baladas mais populares de Nova York, portando, eu já espera uma fila gigantesca. Como eu já estava meio nervosa, deixei minhas amigas na fila e fui para uma vip, meu plano era encontrar uma fila menor. Tinham 3 Canadenses na minha frente, estavam conversando sobre a ultima viagem que fizeram no Caribe, quando de repente, olharam pra mim...
- Hi there how are you? Where are you from?
- I'm from brazil, why?
- Sorry, cause are u looks like very diferente - he said.

Eu tinha entendido, na visão dos homens, nós brasileiras somos privilegiadas pelas curvas. Começamos a conversar, quando um deles disse que iria entrar na festa sem pagar, pois era amigo do dono. Me convidaram para entrar com eles, agradeci e fui. Gritei para as minhas amigas.
- Meninas, me siga, venham logo!!! Mas fiquem caladas. - Gritei rezando para não ter nenhum brasileiros ouvindo.
- Mas o que esta acontecendo? Como você conseguiu passar na frente de todos e ainda, sem pagar? - Mayara questionou.
- Simples, seja cara de pau!

Os rapazes era muito bonitos, mas a minha intenção era apenas me divertir, e não "pegar" alguém. Assim que entramos, as puxei pelo braco e caímos na multidão. Deu certo, não os vimos mais naquela noite. Como tínhamos entrado vip, poderíamos beber sem pagar por nada.
Em menos de 15 minutos eu já estava bêbada. Não lembro o que bebi, peguei as garrafas e brinquei de ser ''bar men". Minhas amigas não eram tão loucas quanto a eu, senti as levando para o mal caminho. Mas era uma fase, eu precisava daquilo naquele momento. Longe do meu país, enfrentando uma vida complicada nos EUA.
Dancei a noite inteira, conversei e filosofei com pessoas de diversos países. As mulheres como sempre, me matavam com os olhos. Os homens, me paqueravam. Mas eu só queria conversar e nada mais além disso. Lembro vagamente daquela noite, nunca bebi tanto como naquele noite.

- Jackie, já são 2h30 e estamos cansadas. Vamos embora?
- No Way! Está muito cedo, vou ficar ate fechar. Não se preocupem eu sei me virar, quer que eu repita o endereço do Hotel?
- Mas você não esta bem, esta dançando desde que chegamos.- Mayara disse preocupada.
- May - Disse a Karen - Ela sabe se virar tenho certeza, vamos embora ela tem o nosso telefone, se algo acontecer ela vai nós ligar.

Karen estava certa, ja tinha lhe dito que, se caso quisessem ir embora, eu ia me virar. Me lembro quando algums pessoas me chamaram para ser DJ da festa e me pediram para sambar. WTF!
Algumas horas depois, estava no sofá escrevendo meus versos no celular. Quando um segurança desagradável disse.

- Time to go! GO, GO ,GO!
- Okay, I'm going Filha da*&&¨.

Não senti medo, eu ainda lembrava o endereço do hotel. Fui pra fora, filosofei com um Belga que pediu o meu facebook, e hoje somos amigos. O pessoal que tinha saido da party me disseram ''Bye Bye'', é, fiz amizade com todo mundo da festa.
Peguei um taxi, disse o endereço e já fui ameaçando se caso ele fosse dar em cima de mim. Era para ser apenas 3 dólares de gorjeta, me roubou 2 obamas, então acabou sendo 5 dólares. Cheguei no Hotel, dizendo Good Morning para todos às 5h30 da manhã.
Fiquei aflita quando apertei o botão do elevador - sera que ainda lembro da porta do quarto?.  Entrei no Elevador, e tinha um Mexicano que não falava inglês. Como todo homem bêbado e fdp, começou a dar em cima de mim. Como eu estava um pouco alegre, disse a ele que trabalhava na FBI e se caso ele tentasse me abusar, eu cortaria o pinto dele. Sim, eu disse isso em Espanhol. Mesmo não sabendo espanhol, uma Colombiana que conheci na festa me ensinou algumas palavras, foi o suficiente para me defender. Mas, não lembro mais nada em Espanhol.
Por sorte, não me perdi nos corredores. Abri a porta, e minha amiga:
- Essa é hora de chegar mocinha?

Já disse que me sentia em um filme nos EUA?
- I just want to eat some donuts and sleep. Good night!

Jacqueline Moraes

quarta-feira, outubro 01, 2014

8 maneiras de viajar de graça como voluntário

Hoje vou listar 8 maneiras de conseguir hospedagem e alimentação trabalhando como voluntário em diversos projetos ao redor do mundo.
Já havia mostrado no blog Vagabundo Profissional três maneiras de viajar o mundo trabalhando como voluntário em projetos sociais.
Além de ser uma maneira de fazer o bem ao próximo, o voluntarismo é ainda uma maneira bem mais barata de viajar e, com certeza, saindo muito da zona de conforto.
Para isso separei, além das três que já havia mostrado antes, mais sete maneiras de conseguir um viajar de graça trabalhando em obras sociais ao redor do planeta.
1-  Turtle Teams – várias partes do mundo
São milhares de pequenos grupos ao redor do mundo que ajudam tartarugas marinhas, normalmente em praias onde ocorrem a desova dos bichinhos. Os valores variam muito, podendo custar muitos dólares, porém muitas organizações oferecem acomodações de baixo custo.
Já imaginou viajar, conhecer praias paradisíacas e ainda fazer sua parte para ajudar uma espécie a sair da lista de risco de extinção? Mais informações sobre esse tipo de trabalho: Campamento TorutgeroSea Turtles e Sea Turtle Conservancy
2- Voluntariado de conservação – Austrália e Nova Zelândia
Consistem em projetos de curta duração de conservação de habitats e promoção do eco-turismo. Os valores variam, podendo chegar a AUS$ 208 por uma semana de estadia, variando de acampamento ou chalés. Algumas organizações disponibilizam viagens gratuitas de poucos dias.
Informações: Conservation VolunteersThe Conservation Volunteering
3- Voluntariado do Sudão – Sudão, África
Um dos mais interessantes na nossa opinião. Consiste em ensinar inglês em escolas e universidades do país mais pobre do mundo, além de participar de outros projetos nas comunidades.
Normalmente paga-se a passagem até o país, porém todos os outros custos estão cobertos e algumas organizações ainda consideram uma ajuda de custo mensal para o voluntário.
Mais informações: Sudan Volunteer Programme
4- Conservação da Trilha Apalache – Estados Unidos
A Trilha Apalache é uma trilha clássica de mais de 3 mil quilômetros de extensão cruzando o leste dos Estados Unidos. Além de ser o lar de mais de duas mil espécies, muitas em risco de extinção.
Já pensou trabalhar nesse ambiente em troca de comida e abrigo em um dos lugares mais belos dos estados Unidos? Mais informações: Appalachian Trail Conservancy
5- Trip Leader da HF Holidays – Toda a Europa
A HF Holidays é uma das mais populares companhias europeias de pacotes de viagens e feriados. Ao se voluntariar o viajante terá a oportunidade de explorar a Europa acompanhando os grupos. Uma ótima maneira de conhecer países, pessoas, adquirir e passar conhecimento. Mais informações: HF Holidays
6- Peace Corps – várias partes do mundo
Consistem em uma série de projetos de saúde, desenvolvimento de negócios e conservação do meio ambiente. É aberto apenas a residentes nos Estados Unidos e tem o compromisso de 27 meses de trabalho. Mais informações: Peace Corps e Voluntary Service Overseas.
7- Voluntário das Nações Unidas – várias partes do mundo
A ONU, Organização das Nações Unidas, oferece oportunidades de voluntariado nas áreas de ajuda médica, desenvolvimento econômico e ajuda emergencial após desastres naturais. Uma ótima oportunidade para quem deseja fazer a diferença no mundo. Mais informações: UN Volunteers
8- Voluntáriado em um Kibbutz – Israel
Um kibutz é uma forma de colectividade comunitária israelita, algo como a nossa cooperativa, porém mesclando um pouco da ideologia socialista e o sionismo no sionismo trabalhista.
Esse é um dos trabalhos mais arriscados em uma das regiões que mais vemos nos noticiários pelo mundo, porém é oportunidade única de ver e viver em primeira mão tudo o que aparece na televisão, e ainda fazendo nossa parte por um mundo melhor, mais humano e mais pacífico.
Porém, caso você decida conhecer os países ao redor, como Jordânia, Egito ou Turquia, um carimbo israelense no passaporte pode render algumas horinhas na salinha pra dar algumas explicações. Mais informações: Kibbutz Volunteer

Contraste de fotos


Oi, gente! Sou a Emi, do iemai . Hoje vim falar de fotografia, e decidi começar justamente por onde inicio todas as edições das minhas fotos: pelo contraste! Sou louca por fotos com cores muito vivas, mas esta dica pode ser adaptada de acordo com o seu gosto. Serve tanto para criar imagens “suaves”, com tons mais claros, como “sombrias” e escuras. Vá fazendo passo a passo, porque só ler o tutorial deixa tudo com cara de complicado, viu?
As funções que mais curto nos editores de imagens são as de Curvas e Níveis, que estão presentes em vários programas. Eu uso diariamente o Photoshop e o PicsPlay Pro, um aplicativo para celular que, na versão paga, também permite editar isso (a versão free permite apenas a edição de Curvas).
Para ensinar para vocês, escolhi usar uma opção gratuita, que é Pixlr Editor, um editor online que pode ser acessado por este link. Ele vai começar logo com a caixa para abrir imagem, escolha a que você quer usar e mãos à obra! A minha vai ser essa aí de cima, que saiu desse jeito da câmera.
Vamos começar pelas Curvas. É a ferramenta que gosto de usar para clarear as fotos. Ela pode ser acessada pelo menu superior: clique em Ajuste e depois em Curvas.
Essa caixinha que será aberta é onde você vai editar sua Curva. Clicando na linha diagonal você pode criar inúmeros pontos que podem ser arrastados para regiões do gráfico. Experimente puxá-los para várias direções para ver o resultado!
Use um pontinho puxado para a região superior – seguindo seu gosto, óbvio! – como na imagem abaixo para deixar a foto mais clara. Quando gostar do resultado, é só clicar em Ok. Se fizer bagunça, é só Cancelar e começar de novo.
Quem gosta das fotos clarinhas pode até parar por aqui! Nós vamos continuar mexendo no contraste. Vá em Ajuste e escolha a opção Níveis.
Esse é o histograma de níveis da sua imagem. Ele começa como nesse primeiro quadro abaixo, entãoarraste as setinhas para mexer no contraste! Você vai notar que o ponto da esquerda é relativo aos tons mais escuros da foto, os médios são controlados pelo ponto do centro, e o da direita é dos tons claros.
Eu já tinha clareado a minha foto como queria, por isso só mexi nos ponto da esquerda e do centro – puxei os dois para a direita até ficar tudo como eu queria. Você pode confirmar e voltar a fazer todo esse passo outras vezes até conseguir chegar ao resultado que quer!
 Tcharam! A foto ficou assim no final. Dá para usar só as Curvas ou os Níveis (ao invés dos dois juntos) e alcançar resultados parecidos – ou nada parecidos, mas legais também! Eu gosto de editar assim porque consigo deixar a foto do jeitinho que eu gosto. ;)
Olha só a diferença da imagem:

domingo, setembro 28, 2014

Até onde você iria por seus valores?


Após seis anos de sua estreia, resolvi assistir o filme Into The Wild. Relutei em vê-lo por motivos desconhecidos e me arrependo por isso. Este é o tipo de filme que deve ser visto de tempos em tempos, para reflexão. Com aproximadamente duas horas e vinte minutos de duração, a história relata a vida do recém-formado Christopher McCandless e é uma verdadeira lição de vida. Dirigido pelo também ator e produtor Sean Penn, o material serve como uma chacoalhada para qualquer um que o assista.
O filme, baseado no livro que tem o mesmo título, expõe a vida de McCandless. O estudante, nascido em berço de ouro, porém imerso em brigas e infelicidade, resolve deixar o diploma e a família para trás (além de pouco mais de 24 mil dólares doados a uma instituição de caridade) e seguir seu sonho: viver fora dos padrões da sociedade. No auge de sua juventude, ele abandona seu carro, queima o resto do dinheiro restante e, com uma mochila nas costas, segue por algumas cidades dos Estados Unidos e México em sua jornada para o Alasca. Em uma junção simbólica de palavras, Christopher muda sua identidade para Alex Supertramp – tendo numa tradução grosseira o sobrenome “super vagabundo” –, conhece diferentes estilos de vida, dedica-se a anotar seus sentimentos, lista diferentes coisas aprendidas durante a jornada e aprende viver sem a necessidade ou dependência do dinheiro – e do consumo exacerbado de produtos listados pela sociedade como “indispensáveis para sua felicidade”.
Casa cheia, filhos perfeitos, carro do ano… Inúmeras são as imposições da sociedade a fim de nos mostrar o verdadeiro “caminho” para a felicidade plena. Porém, existe um pequeno detalhe durante esse trajeto, o qual muitos esquecem de enxergar: o próprio caminho. Como Supertramp, muitos são os que dizem sentir desprezo pelas regras impostas pela sociedade, porém, na hora de tirar proveito das facilidades, o fazem sem lembrar dos valores. A diferença do jovem de 23 anos da história foi a audácia e coragem de seguir à risca seus ideais. Ele deixa o conforto e segurança e se arrisca entre caronas, dormidas em sua barraca de acampamento e em uma Kombi abandonada a qual ele nomeia de Ônibus Mágico. O jovem aprende que a felicidade encontra-se nos momentos mais simples da vida e, em um desfecho emocionante, ele lista sua última descoberta: a felicidade só se torna real quando compartilhada. Compartilhada não significa exposta, para provocar inveja alheia – apenas um adendo.
E esse erro começa na infância. Enchemos nossos filhos – sobrinhos, afilhados – de presentes no Dia das Crianças, Natal, aniversário ou qualquer outra data comemorativa que incite a troca de presentes materiais. Compramos o brinquedo mais caro a fim de ver a felicidade estampada em seus rostos. Na adolescência, os enchemos de viagens, festas, roupas e perfumes caros. Pagamos a escolar mais cara, o curso de inglês renomado e exigimos que eles andem com gente “bem-apessoada”. Faculdade cara, carro do ano… E durante esses, pelo menos, 22 anos, esquecemos, em meio a tanto trabalho e obrigações, de dar o básico: um real ensino. A importância de mandar uma cartinha aos avós dizendo o quanto os ama; tirar fotos com os amigos (e não autorretrato para postar em rede social) e revelá-las, para mais na frente sentir naquela imagem a felicidade que foi aquele momento; respeitar e exercitar a paciência no momento de discordância entre você e seus pais ou irmãos. Esse é o segredo da felicidade – o que me faz pensar que seja o segredo da vida.
Enfim, de volta ao filme. Interpretado por Emile Hirsch, a obra exala riqueza cultural entre gerações em cada personagem. Estimula o espectador a refletir sobre valores, por mais que não queira. Cada discurso elaborado, com suaves pinceladas de grandes filósofos comoDavid Thoreau e Leo Tolstoy, torna-se pura psicanálise. Não só Hirsch, mas todo o elenco esbanja simplicidade e beleza, diferente das grandes películas Hollywoodianas. Não sou especialista no assunto, mas não posso deixar de falar sobre alguns aspectos reveladores do filme, como a ótima fotografia. Cada imagem, cada paisagem torna-se mais deslumbrante à junção da trilha sonora que, por sinal, cai como uma luva em cada pedacinho do filme. A trilha é assinada pelo vocalista do Pearl Jam, Eddie Vedder, que magnificamente traduz em poesia o encaixe perfeito para o enredo do longa. Um trabalho no mínimo tocante, onde expõe a paixão do homem pelo simples, pela natureza e nos põe a repensar sobre nossas prioridades na vida.Totalmente obrigatório e, acima de tudo, inspirador.
Just remember: “Hapiness is only real when shared”.

sábado, setembro 27, 2014

Namore uma mulher que viaja sozinha


Namore uma mulher que viaja. Namore uma garota que prefere guardar dinheiro para viagens fora da cidade ou um dia de viagem em vez de comprar novos sapatos ou roupas. Ela pode não estar na moda, mas por trás daquela pele com sardas e bronzeada de todos os dias de sol, encontra-se uma mente que pode te levar para lugares e um coração aberto que levará para o que você é, não para o que você pode ser.
Namore uma mulher que viaja. Você vai reconhece-la pela mochila que ela sempre carrega. Ela não vai estar carregando uma bolsa delicada de mão; onde ela vai colocar seu diário de viagens, suas canetas e sua lanterna que está sempre presa ao zíper da sua mochila? Em uma bolsa pequena, como ela pode trazer o rolo de corda de viagem, os lenços umedecidos, a caixa de biscoito e uma garrafa de água que ela tem sempre em mãos, apenas no caso de alguma coisa acontecer e ela não poder ir para a casa ainda?
Sim, uma mulher que viaja sabe que a qualquer hora alguma coisa pode acontecer e ela deve estar preparada para isso. Nada a pega de surpresa; ela leva tudo com imparcialidade, sabendo que essas coisas farão sempre parte de sua vida. Ela é confiável e segura, características que ela aprendeu enquanto estava na estrada.
Você também vai reconhecer uma mulher que viaja pelo fato de ela estar sempre maravilhada com o mundo em sua volta, não importa se ela está em sua cidade natal ou em um lugar que lhe é totalmente novo. Ela vê a beleza em toda sua volta, não só os destaques dos guias de viagens ou os que são mostrados em cartões postais. A mulher que viaja tem desenvolvido uma profunda apreciação pela vida. Ela não vai te julgar ou te pressionar para fazer coisas que você não quer. Ela entende muito sobre a importância de identidade e auto-eficácia e ela vai apreciar muito mais se você não fingir ser o que você não é.
Você pode cometer erros com uma mulher que viaja e você também pode ter uma forma incomum de se portar perante a sociedade. Confie em mim, ela viu muita coisa pior em suas viagens e ela sabe em primeira mão os caprichos da natureza humana.
Namore uma mulher que viaja porque quando você está com ela, você vai perceber que mesmo que ela tenha cochilado em um templo no Angkor Wat, passeado de gôndola no Mekong Delta, corrido nas ruas de Saigon ou nadado pelada nas cavernas das Filipinas, ela ainda retém aquela humildade que é a marca de um verdadeiro viajante. Ela sabe que ela esteve em muitos lugares, mas ela é humilde pelo fato que o mundo é ainda um lugar enorme e ela tem visto apenas um pequena parte disso. Enxergar isso nela pode fazer você se sentir bem consigo mesmo; não é preciso você fazer mais nada para ser mais. O que você é já é suficiente.
Quando você encontrar uma mulher que viaja, pergunte a ela onde ela esteve e para onde ela está indo. Ela vai adorar o seu interesse e, se você tiver sorte, ela pode te convidar para se juntar a ela. E quando ela o fizer, vá. Nada une melhor as pessoas do que viajar. Em suas viagens, vocês irão enxergar as melhores e piores características de ambos e você poderá então decidir se a luta por ela vale a pena.
É muito fácil namorar uma mulher que viaja. Ela não vai querer presentes caros; você pode comprar pra ela (ou para vocês dois) passagens baratas para a Tailândia para o final de semana e ela ficará mais do que feliz de te levar para a maior ponte de madeira do país. Você não precisa cruzar o oceano; você pode levá-la para sair em viagens de um dia para uma caverna ou trilha ou presenteá-la com uma massagem.
Você pode comprar também coisas que ela teima em esquecer de comprar para si mesma; aquele gancho que prende a mochila dela no assento para que ela possa se sentir mais confortável ao dormir em uma viagem de ônibus, ou uma capa para a mochila, um pequeno despertador, um cinto de dinheiro, ou talvez outra calça sarongue no lugar daquela que ela perdeu na China.
Ela não vai se importar se você se perder no seu caminho para um encontro. Ela sabe que muitas vezes a jornada é mais importante que o destino. Ela vai te ajudar a ver o lado mais tranquilo das coisas. Ela vai caminhar ao seu lado, não atrás de você, apontando as coisas interessantes que vocês verem pelo caminho. Muito antes, você irá perceber que sim, a jornada tem sido mais memorável que o lugar que você planejou levá-la.
Uma mulher que viaja vale a pena? Sim, vale. Então quando você encontra-la, segure-a. Não a perca com suas inseguranças e dúvidas. Porque se ela diz que te ama, ela realmente ama. Afinal, ela tem visto tanta coisa, conhecido tanta gente, e se ela escolheu você, melhor pegar essa oportunidade e agradecer aos deuses por você ter sido sortudo o suficiente para ela ter te escolhido e não aquele cara que ela conheceu enquanto assistia o nascer do sol em Angkor Wat ou enquanto praticava rafting no Padas Gorge em Sabah.
Se ela diz que te ama ela deve ter visto algo em você, algo que sempre pode chama-la de volta de suas viagens, algo em que ela pode ancorá-la para o mundo do jeito que ela quer depois de semanas e meses na estrada.
Namore uma mulher que viaja. Faça ela se sentir segura, aquecida e protegida. Faça ela acreditar que não importa onde ela vá e nem quanto tempo ela fique longe, você estará lá para ela, onde ela pode chamar de lar.
Encontre uma mulher que viaja. Namore-a, ame-a, case-se com ela e o seu mundo nunca será o mesmo de novo.